Arquivo do mês: maio 2014

 

Gestores em todos os níveis não entendem que faz parte do seu trabalho MONTAR UMA EQUIPE DE ALTA PERFORMANCE e não somente “trabalhar” no operacional. Montar uma equipe de alta performance significa dar extrema atenção para perfis, seleção, treinamento, uso de procedimentos, auditoria, avaliação de desempenho e sucessão (se você perder algumas pessoas fundamentais, quem são os substitutos). O gestor (especialmente supervisores, gerentes, coordenadores) precisa entender que sua principal função é preparar a equipe para fazer o trabalho com alto desempenho, embora ele vá sempre ser cobrado pelos resultados do trabalho. Entre o gestor e o trabalho operacional, existe a equipe. Como afirmei no início deste texto, a maioria dos gestores não entende que MONTAR UMA EQUIPE DE ALTA PERFORMANCE é a parte principal do seu trabalho. A prova desta afirmação é a pouca ou nenhuma preocupação que os gestores têm com o mapeamento dos seus processos (mapeamento do trabalho), elaboração de procedimentos escritos e de manuais de treinamento, planos de treinamento, determinação cuidadosa do perfil, integração intensa com RH no momento da seleção de seus futuros funcionários, auditoria feita por ele próprio e por terceiros, avaliação frequente (mensal, trimestral) do desempenho dos seus profissionais com feedback claro, elaboração de planos de desenvolvimento individual para suprir as carências de seus comandados e identificação de planos B, caso uma pessoa fundamental da equipe vá embora. O usual é encontrarmos gestores com muita vontade, mas atormentados pelo acúmulo de problemas. Como não preparam seus processos e suas equipes para o trabalho, eles precisam ser centralizadores e tornam-se ineficientes e estressados. Não desenvolvem em si próprios a principal característica de um gestor: GRANDEZA. Grandeza significa não ter medo de desenvolver pessoas e não ter medo de subordinados mais competentes do que eles mesmos. Grandeza significa saber olhar sua equipe como se olhasse pupilos, isto é, pessoas que estão sob sua responsabilidade e pelas quais ele deve zelar.

Gestores normalmente “se matam” no trabalho operacional e esquecem-se de ser gestores. São apenas mais um trabalhador operacional que “manda nos outros”, algo do tipo “operador líder”, mas nunca gestores. Também carecem de INTELIGÊNCIA FINANCEIRA. Queixam-se de que não conseguem formar boas equipes porque “a empresa paga muito pouco e não consigo atrair nem reter bons profissionais”. Para estes que se queixam, tenho algumas orientações:

 1º) A empresa está certa em “pagar pouco”. Ela justamente o contratou para que você organize o seu processo para ter alto desempenho com funcionários que ganham pouco. Se a empresa se dispusesse a pagar muito e somente contratar os melhores, você não seria necessário! Gestor serve para obter alto desempenho com ESCASSEZ DE RECURSOS, inclusive os humanos. Não sabia disto?

 2º) Planeje seu processo (procedimentos, pontos de controle, indicadores, tecnologia, inspeção, auditoria, treinamento etc.) para que ele suporte e seja operado com alto desempenho pelas pessoas que você PODE PAGAR e não pelos talentos com os quais você sonha. Quem sonha é “sonhador” e não é gestor.

 3º) Caso você não entenda ou não concorde com as duas primeiras orientações, você será sempre um gestor medíocre, obtendo resultados ruins ou medianos para sua empresa e para sua vida, e terminará seus dias reclamando de que não teve as condições necessárias para ser um vencedor.

 Obviamente, todos queremos contar com bons funcionários. O problema é o conceito de “bom”. Bom funcionário é aquele que dá para a empresa a melhor relação custo x benefício no trabalho e não os grandes e caros talentos. Aqueles que tiverem potencial para serem desenvolvidos e promovidos devem ter atenção especial. Os outros ficarão contentes em apenas fazer eficazmente o trabalho operacional. Uma grande equipe não é uma equipe dos melhores. É uma equipe com o perfil adequado para obter os resultados desejados e com o menor custo possível para a empresa. Por isto, a questão do perfil é fundamental e por isto a questão do mapeamento do processo também o é. Mapear o processo não significa apenas fazer um fluxograma das tarefas, mas PENSAR O PROCESSO e ORGANIZÁ-LO da maneira mais eficaz e barata. Tecnologia, métodos de trabalho, controles, supervisão e inspeção, juntamente com o treinamento, devem ser planejados pelo gestor para que transformem os perfis que virão (dentro do que a empresa se dispõe a pagar) em equipes de alta performance.

 

Paulo Ricardo Mubarack        

 

mubarack@terra.com.br

www.mubarack.com.br

http://mubarackconsultoria.wordpress.com/

maio 2014
S T Q Q S S D
« abr   ago »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

O SANTO DO DIA

Untitled Document O  Santo do dia